O povoamento de Uberaba remonta à segunda década de 1800, e teve sua elevação à categoria de Freguesia em 1820. Em poucos anos sua população cresceu e passou a exigir um governo local, chegando a encaminhar um abaixo-assinado ao governo Provincial, em 1832. A 22 de fevereiro de 1836 este pedido foi atendido, sendo o Arraial de Santo Antônio e São Sebastião elevado à condição de Vila passando assim a ser município independente. Para a votação de escolha dos primeiros vereadores foram alistados os fazendeiros e comerciantes prósperos, que elegeram para a primeira legislatura os seguintes vereadores:

  • Capitão Domingos da Silva Oliveira, fazendeiro e juiz de órfãos. Irmão do fundador do Arraial,o Major Eustáquio.
  • Alexandre José da Silva (futuro Barão de Ituberaba), fazendeiro e construtor de muitos prédios da Vila.
  • João Joaquim da Silva Guimarães, poeta e prosador, irmão do Vigário Silva e pai do escritor Bernardo Guimarães, e que chegou a ser Ministro do Supremo Tribunal de Justiça do Império.
  • Miguel Eugênio de Araújo, fazendeiro.
  • Joaquim Pereira Urzedo, fazendeiro.
  • Padre Francisco Ferreira da Rocha, homem de muito saber e chefe do garimpo de diamantes do rio Uberaba.
  • Manoel Rodrigues da Cunha, fazendeiro.

A festa de instalação desta nossa primeira Câmara, presidida pelo Capitão Domingos, se deu no dia 7 de janeiro de 1837, como previa a praxe regimental.  

Hino de Uberaba

Da jornada de fé, corajosa
De bandeiras por todo o Brasil,
Tu surgiste, Uberaba formosa,
Na campina, sob um céu de anil.

És Uberaba, o formoso
E mais rico florão,
Desde nosso sertão
Valoroso.
Oh! Grande terra gentil,
Um torrão sem igual,
No Planalto Central
Do Brasil

Não transiges com teu inimigo,
Mas acolhes, gentil, em teu colo,
Os que vêm ao trabalho, contigo,
Procurando elevar o teu solo.

És Uberaba, o formoso
E mais rico florão,
Desde nosso sertão valoroso.
Oh! Grande terra gentil,
Um torrão sem igual,
No Planalto Central
Do Brasil tuas matas, teus campos, teu montes,
De riquezas sem par, peregrinas,
Construíram, entre teus horizontes,
A mais bela das jóias mais finas!

És, Uberaba, o formoso
E mais rico florão,
Desde nosso sertão valoroso.
Oh! Grande terra gentil,
Um torrão sem igual,
No Planalto Central do Brasil.